UMA RESISTÊNCIA NEGRA NA UNIVERSIDADE

01/06/15 - 23h23 NOTÍCIAS ESPECIAIS

Desde 2011 o programa AfroDiáspora tem cumprido um importante papel no cenário da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES) se expandindo para o território da Grande Vitória, sendo um instrumento de luta e referência para o Movimento Negro no combate e enfrentamento ao racismo.

A importância de existir um espaço midiático como o AfroDiáspora, fortalece a luta da cultura negra. O conteúdo do programa reverbera a diversidade da cultura afro no contexto nacional e mundial, garantindo as possibilidades de expressão e representação na supressão de estigmas e esteriótipos. A realização do programa está inserida num contexto de escassez de representatividades negras nas redes sociais, reforço de esteriótipos que são colocados como elementos chave nesse exercício da violência simbólica - que é construída sobretudo pelo racismo que socialmente condiciona a população negra a uma subcondição social, além de padecermos à total invisibilidade nos meios de comunicação. Essa ausência de representatividade afasta e impede que o nosso povo não auto afirme sua negritude. Tentaram apagar a nossa história, em uma tentativa desesperada de estirpar a cultura negra do cenário brasileiro. Indo na contra mão do racismo, não aceitaremos que nossas raizes sejam cortadas. Resistiremos.

Conversamos com Adriano Domingos Monteiro, mestrando em comunicação e integrante do Neab – Ufes, que nos contou um pouco sobre a história do programa AfroDiáspora. Ao final da matéria, confira o Podcast da entrevista na íntegra.

Adriano Monteiro
Foto: Tati - BONDE - Núcleo Móvel de Comunicação

Assédio Coletivo: Adriano, como se deu a idealização do programa AfroDiáspora para dentro da grade da Universitária?

Adriano Monteiro: O programa AfroDiáspora deu seu primeiro ponta pé no dia 28 de agosto de 2011. Inicialmente, o AfroDiáspora havia sido pensado por monitores do Neab. Percebendo a possibilidade de se criar um programa de rádio dentro da Universitária 104.7 FM, a galera desenvolveu um projeto que definiria o formato e o objetivo do programa para dentro da rádio - ampliar a voz do povo negro e valorizar a cultura negra.

O Programa AfroDiáspora teve seu projeto aprovado na Lei de Incentivo Chico Prego do municipio da Serra em 2011. A verba captada foi para a compra de materiais como gravador, câmeras fotográficas, laptop, dentre outros. Hoje o programa é composto por 10 pessoas, tendo entre os integrantes 3 pessoas de comunidades populares - o que estabelece um vínculo direto com as comunidades. A programação vai ao ar de segunda a sexta de 17h às 18h.

O AfroDiáspora surge por entender a necessidade de se reforçar a discussão racial, no âmbito cultural, social e político. Ele se referencia na Lei 10.639/2003 da Constituição Federal do Brasil, garantindo assim que a história da África e que a influência direta dos povos africanos à cultura brasileira seja agenda da mídia.

Adriano Monteiro
Foto: Tati - BONDE - Núcleo Móvel de Comunicação

Assédio Coletivo: Como você percebe o programa AfroDiáspora dentro e fora da universidade?

Adriano Monteiro: Quando o AfroDiáspora consegue um espaço na grade para uma semana, percebe-se que isso se dá por conta do aumento da audiência do programa dentro da Rádio Universitária. Anteriormente o programa só ia ao ar nas tardes de domingo.

Outra coisa que se percebeu foi o incômodo que o programa trazia para a população mais conservadora. Nesse sentido, o espaço da rádio consegue fomentar uma discussão que se faz necessária para dentro da sociedade. Os temas que tratamos são extremamente delicados e polêmicos, permeiam as políticas estruturais de segurança pública - como a implementação da redução da maioridade penal, compreendendo essa política como um retrocesso às garantias minímas de sobrevivência, vidas renegadas pelo sistema mas nunca esquecidas pela história que nós estamos ajudando a contar.

Trazer essas discussões para um espaço como o AfroDiáspora e construir uma sociedade mais saudável é o que buscamos. Dentro da programação do AfroDiáspora um dos objetivos é levar para a comunidade as diversas maneiras de expressão da cultura negra, desde a reflexão das múltiplas manifestações musicais até a história do nosso povo negro.

Repórter: Mauro Sérgio
BONDE - Núcleo Móvel de Comunicação

Para dar inicio ao esquenta da comemoração dos 4 anos de existência do Programa AfroDiáspora, a equipe irá promover uma noite de caldos, a partir das 21h no dia 26 de junho, na Associação Docente da Ufes - ADUFES, UFES de Goiabeiras. Os ingressos custam R$15 e dão direito a duas porções de caldo. Para bombar a noite, a equipe do AfroDiáspora irá discotecar durante toda a festa, promovendo um espaço de confraternização a todos e todas que acreditam na importância do programa dentro do cenário da Grande Vitória.

Podcast completo da entrevista com Adriano Monteiro, integrante do AfroDiáspora.